sexta-feira, 7 de abril de 2006

HOJE, PARTICULARMENTE, SINTO ESTAR MORRENDO MAIS RÁPIDO DO QUE NOS OUTROS DIAS...

2 comentários:

  1. José Fernando7/4/06 23:32

    Estou escrevendo, trabalhando numa peça, para adolescentes, com adolescentes, e de repente me flagrei trintão na boca de um personagem-moleque. Lendo sobre suas tentativas, desejei tentar. Fico vendo suas fotos de chamada. Orkut: um sorriso que avança; blog, um olhar que desvia, alto. E fico me perguntando onde as duas imagens se juntam.
    Um trecho do texto.

    "O que me move é o medo de ficar parado. Gosto da frase pelo efeito. O gosto da frase. Não recuar. É isso: não recuar diante do inevitável. Deve existir de fato uma saída. Busco um sentido para cada ato, cada gesto e ao fim me sinto um babaca catando os pedaços de mim num palavrório em fuga. Estou sempre em fuga: (atira com o dedo, ri, como se o alvo fosse um espelho) talvez esse gesto te alcance. Nenhuma palavra é encantada o suficiente para renomear as coisas de que quero me apartar. Mas não posso escapar. Um impulso me traz de volta a tudo isso. Como um destino, do qual duvido, mas no qual me atiro, como se pusesse algo à prova. Como se desafiasse o infinito no momento mesmo em que ele se abre em mim. Nos meus olhos molhados de noite e de medo. Meu gesto intransigente diante do que não entendo, caindo em vertigem. Sou o que cai e o que assiste a queda. Mas o movimento que ensaio se esvai no ar no momento mesmo em que tento fixa-lo. E às vezes me dói a sensação, também ela passageira, de que se me aparto de algo, é de mim que me aparto."

    Beijo.

    ResponderExcluir
  2. Para as limitações, só há sutilezas.
    Para as sutilezas, não há limitações.

    Um ciclo de catástrofe não se fecha,
    porque não existe.

    Abraços.

    ResponderExcluir